kibon, né?!

Duas coisas, gatas & ogros do meu Brasil!

Ana Maria Braga e seu marido Marcelo chupam um picolé em pleno calçadão na praia.

Kibon, né?!

Aproveitando o clima da praia, curte garage surf punk lo-fi ramônico?!

Mary O And The Flamingos, do Rio Grande do Sul, que tem ainda influências dos filmes trash do John Waters, sabe?!

Conversei com ela, e pode ser conferido abaixo!

Kibon, né?!

ps* foto de: Leopoldo Furtado de Castro.
ps** acho que John Waters reprovaria este vídeo!

Ramones e John Waters, Rocket To Russia e Mondo Trasho. Dessa combinação explosiva de punk rock e filmes trash que nasceu o trio gaúcho Mary O And The Pink Flamingos. Um completando o espírito do outro: lo-fi, garageiro, surf punk e, deliciosamente, tosco. Claro, tudo movido pelo espírito do it yourself, o mesmo que levou Waters a fazer Pink Flamingos (1972), onde ele escreveu, produziu, dirigiu, editou e atuou. Mary O foi colocando suas canções aos poucos aqui na TramaVirtual e sempre ficava um gostinho de quero mais, até que resolvemos ir trocar uma ideia com a guitarrista/vocalista dentro do formato SETE. Confira o papo e não deixe de ouvir sua música divina… ou Divine!

Da audição do sensacional Rocket To Russia até hoje, o quê mudou na sua relação com música?
Demorou um pouco, mas o mais significativo foi que eu comecei a compor minhas próprias músicas e montei a minha própria banda com influência dos Ramones e de garage surf, garage punk… O que eu gostaria de ter feito na adolescência, mas talvez tenha faltado coragem. Depois do primeiro passo foi só uma questão de tempo, antes tarde do que nunca!

[foto: Thiago Lázeri]
maryo_t

Quando e como nasceu o Mary O And The Pink Flamingos?
Eu já tocava alguma coisinha na guitarra no dia que ouvi “Jack The Ripper”, do finado Link Wray, pela primeira vez na abertura do filme Mondo Trasho (John Waters), então pensei: isso é tão tosco, tão cru, tão divertido, preciso fazer alguma coisa a respeito! Ganhei uma guitarra e comecei a tentar compor minhas próprias músicas e o resultado foi esse. Há uns anos atrás comecei a aprender a mexer em programas de gravação e edição de áudio e “It’s Potato” foi a primeira que gravei em casa. A partir daí fui fazendo minhas demos e colocando tudo na internet, lo-fi mesmo, então pensei por que não chamar uns amigos e fazer uma banda? O nome Pink Flamingos eu já usava no MySpace pra um projeto de locução e dublagem antigo, aí mantive e foi perfeito.


Quais são as experiências que você, o Bino e o Jardas tiveram antes do MOATPF?
O mais experiente é o Bino, o baterista. Toca desde criança, já teve e toca em várias bandas. Já eu e o Jardas foi a primeira experiência mesmo, começamos juntos. Fora algumas participações minhas em backing vocals em discos de amigos, essa foi a primeira experiência.

O único material que vocês têm gravado é esse que tá no perfil?
Sim, essas demos estão somente na internet e foram todas feitas em casa. O primeiro disco já começou a ser gravado aqui em Porto Alegre e pretendo lançar ainda este ano. Tem também alguns podcasts de participações da banda em programas feitos pra internet.

[foto: Antonio de Paula Ternura]
maryo_a

O quê será que John Waters diria se ouvisse suas músicas?
Ele diria: “I know a lot of perverts!”. Meu sonho é ter uma música minha num filme dele, ou melhor, uma cena de um show da banda num filme dele! Acho que ele iria curtir, principalmente as músicas mais bizarras e com vozinhas demoníacas!

E a finada Divine?
Acho que ela ia dançar e se divertir horrores com a gente e a gente com ela, e convidaríamos ela pra cantar com a gente com certeza!

Quais são os próximos planos?
O mais legal que é fazer show já está rolando, já tocamos em festivais importantes como o Grito Rock em Porto Alegre e no 11º Primeiro Campeonato Mineiro de Surf, em Belo Horizonte/MG, e foi sensacional… Os mineiros são realmente apaixonados pelo estilo da nossa banda, o que foi uma surpresa muito boa pra nós. O primeiro disco, que provavelmente terá o nome de “Flamingo Attack!” já está quase pronto e depois disso fazer uns vídeos seria muito legal também e já está nos planos da banda faz tempo. Queremos fazer muitos shows, claro, pelo Brasil e fora também, por que não?! Também temos a ideia de fazer shows em lugares inusitados como jardim de infância, hospitais mentais, casas noturnas de gosto duvidoso, parques de diversões e zoológicos.

[foto: Thiago Lázeri]
maryo_t2

Para ouvir e/ou baixar: maryoandthepinkflamingos.bandcamp.com

Comentar via site Faces

comentários

6 thoughts on “kibon, né?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *