God Is Dead? – Várias bandas ouviram o som do Black Sabbath e contaram o que acharam!

Ozzy Osbourne, Tony Iommi e Geezer Butler uniram forças e ressuscitaram o Black Sabbath – infelizmente sem o baterista Bill Ward, mas com Brad Wilk [Rage Against The Machine, Audioslave] no lugar.

E é com essa formação que eles gravaram o disco 13 sob os cuidados do mestre Rick Rubin – que deve ser lançado em Junho – e que virá ao Brasil: Porto Alegre [09/10], São Paulo [11/10] e Rio de Janeiro [13/10] com Megadeth como banda de abertura.

BlackSabbathMegadeth

Já ouviu God Is Dead?, o primeiro som que eles liberaram?

Particularmente não gostei tanto e a primeira vez que ouvi só conseguia pensar que ela não precisava ser tããããão loooonga, mas teve gente que amou – e eu mais que entendo!

Pois é, a música dividiu opiniões, então juntei um time de peso para dizer o que achou. Vamos lá!

É muito estranho ouvir uma música “nova” do Sabbath, mas ela tá aí, ela é do Sabbath e na minha opinião eles ainda são os mesmos hippies metaleiros de sempre! Gostei!
Quique Brown [Leptospirose | soundcloud.com/leptospirose]

ChuckOzzy

Achei fraca, sem vontade de frouxa. E pior de tudo, desnecessária. Quase todo o trampo de guitarra é magro, sem inspiração de clichê. Gostei muito do baixo, o Geezer e o Brad são os únicos presentes de verdade ali. Brad Wilk estudou muito bem o que o Bill Ward faz e fez tudo que praticamente o próprio faria ali naquela fase Never Say Die, achei respeitoso e bom. Mas, Black Sabbath com Ozzy e sem Bill Ward não é Black Sabbath. Toda vez que ouço a música imagino o Ozzy lendo a letra pela primeira vez em cima da música sem conhecer ainda a melodia como se não estivesse envolvido em aspecto algum da criação até aquele momento. Foi mal aí.
Chuck Hipolitho [Vespas Mandarinas, MTV | vespasmandarinas.com.br]

etesabbath
Estranhei um pouco a intro, me lembrou demais a fase Tony Martin, mas ao desenrolar da coisa percebi que a junção do Sabbath com o Rick Rubin foi realmente foderosa. Gostei muito e sem dúvida está entre as melhores coisas que ouvi esse ano! Honra o coisa ruim na melhor tradição sabbática, trilha sonora perfeita para louvar Belzebú numa boa.
Etê [Muzzarelas | facebook.com/Muzzarelas | Drakula | facebook.com/Drakula | Chop Suey | chopsueydiscos.com]

japinhakiss

Ozzy exibe seu carisma e personalidade distintos em seus vocais e letras. A referência ao grande filósofo da música, Nietzsche, inclusive no título da música traz profundidade. Até porque combina com as manias obscuras da banda, quando se fala de religião – “Deus está morto”. O tamanho da música, oito minutos e pouco, também mostra o quanto o Black Sabbath consegue ser “old school”, não se importando com o lado comercial e se prendendo às suas raízes de banda de metal das antigas e suas lindas epopéias: mudanças de andamentos, solos, refrões, riffs nervosos e tudo mais que se tem direito quando se fala de uma banda desse porte e importância. Fiquei bem feliz com a volta e com a notícia do show no Brasil. Ainda temos esperança no rock.
Ricardo Japinha [CPM 22 | cpm22.com.br | Hateen | hateen.com.br]

Black-Sabbath-God-Is-Dead

A primeira impressão que tive foi bem ruim, escutei no site de uma rádio, que tem uma vinheta repetida umas quatro vezes durante a música, sem o solo de guitarra e com uma foto bem estranha do trio Iommi, Ozzy Osbourne e Geezer, de cara não gostei, mas sabia que tinha que ouvir outras vezes pra ter certeza. A capa do single também me espantou com aquele Nietzsche maluco com língua de fiapos roxos e um cogumelo atômico do lado. Agora gosto muito e estou animado pra ouvir o álbum completo. É um Black Sabbath atual que soa como o original, mas que pra quem acompanha as diferentes fases da banda também identifica características de formações diferentes, como o dedilhado de guitarra que soa como a fase Cross Purpose, ou a partir de 4’43” que pra minha surpresa lembra a melodia vocal de Buried Alive da fase Dehumanizer. Obviamente lembra o material solo do Ozzy Osbourne, que traz uma interpretação real de um cara velho mas que sente o que está dizendo, atenção 8’33” (is). Lembra também o projeto solo G/Z/R, o que acho foda, a letra é sensacional e poderia estar no Master of Reality tranquilamente, boto fé que é obra do Geezer Butler, que mostra toda sua força também no baixo devastador. O trampo de guitarras mantém a genialidade do mestre, com simplicidade e um solo jogando pro time [risos] me lembrou solos do Monasterium!! O baterista faz um trampo que vai além do decente, mas tenho impressão que com o Bill Ward ou Vinny Appice ficaria mais rancento. Imagino que Spock Wall seria muito bem-vindo em novas gravações. A produção está estrondosa, com os instrumentos soando como monstros que se você toca levemente nas cordas já explodem, ou seja, foram gravados em volumes absurdos. E a capa agora vejo como uma que poderia ser de uma banda de Crust ou Grind, pesadona e verdadeira da situação maluca que a insana humanidade mecanicista e misticista bóia, ainda fazendo uma referência à magnífica capa do Ultimate Sin, com sua explosão nuclear. God is Dead? que Deus é esse? e ainda nos remete ao Dio, pelo menos a mim. Dio is Dead? Quando alguém morre? Será que é com sua morte física? ou pode ser antes e/ou depois desta? ou é o “Sintoma do Universo” que nunca morre? Daqui de Teresina tenho certeza que o Deus Sol não morreu. Essa música ficou na minha cabeça e trouxe outras junto: Hole in the Sky, Shock Wave, Sabbra Cadabra, After All, Hand of Doom, Fairies Wear Boots, Behind the Wall of Sleep. TOTAL APOIO DO BODE PRETO AO BLACK SABBATH 2013!
Josh [Bode Preto | bodepreto.com]

liege_theo

Olha, é bacana, cara, mas não parece Sabbath. Tá certo que os tio tão apertando o “continue” faz um tempo, mas se eles revertessem esses oito intermináveis minutos em dois ou três minutinhos com MAIS VONTADE DE VIVER seria bem mais afú.
Liege [Medialunas | medialunas.bandcamp.com | Hangovers | han6overs.bandcamp.com | Loomer | facebook.com/banda.loomer] [foto: Theo Portalet | facebook.com/theo.portalet]]

Achei sensacional. Ventos de War Pigs, Brad Wilk destruindo, sem deixar saudade do Bill Ward, sonzaço de baixo e batera. Ozzy um jovem nos vocais. Me amarrei. Reclamaram porque falei que é um clássico, que precisa de tempo pra virar clássico e tal, mas, pô, clássico pra mim, não precisa ser pra você, né? Achei fodão. Melhor que as últimas coisas do Mastodon, certeza.
Rafael Ramos [Deckdisc]

cleitonjello

Uma emoção que divido entre assistir um jogo de futebol da Seleção de Masters e ver que o velhinho ainda consegue acertar um cruzamento de trivela – no caso, o Geezer Butler sempre apavorando – e a decepção de finalmente ficar com uma mina que você sempre achou “ideal” – a
estrutura balada/peso arrastado/pauleira na linha da Megalomania – mas não ser nada daquilo muito aquém do que você imaginava – vocal prozáctico do Ozzy e o solo safadão do Iommi que
poderia estar em qualquer música do Audioslave. Como parece que eles só tocam duas músicas novas, espero conseguir vender um rim pra comprar o ingresso e me esbaldar com as antigas.
Cleiton Sotte [Travolta Discos | facebook.com/travoltadiscos | 255 | facebook.com/Loja255]

torsabbath

Ouvi sim, achei ótima, do ponto de vista que nunca mais vai ser como os discos gravados nos 70, mas de longe é melhor do que qualquer coisa que andam produzindo na música por aí. Achei os riffs e o baixo fantásticos assim como a interpretação do Ozzy e a produção em geral, a ambiência é tudo e isso o Rick Rubin manja como ninguém. Na minha opinião: excelente.
Tor Tauil [facebook.com/tortauil | Zumbis do Espaço | facebook.com/zumbis.doespaco.7 | 13 Records | facebook.com/13rex]

maryo_a

Achei muito longa! Poderiam cortar uns seis ou sete minutos do começo da música e ir direto pra parte mais interessante no final. O baixo chama a atenção e a essência da banda continua a mesma.
Mary O [Mary O and the Pink Flamingos | maryoandthepinkflamingos.bandcamp.com | Os Bambinos Selvagens | facebook.com/Bambinos-Selvagens] [foto: Antonio de Paula Ternura]

juninhosabbath

Ouvi sim, achei incrível. Eu estava até conversando sobre o Black Sabbath com o Fernando [El Rocha, O Inimigo], e depois que o Ozzy saiu da banda tudo mudou completamente. Antes era uma parada original, fusão do blues com bases pesadíssimas, era uma banda de rock aclamada mundialmente, depois da saída do Ozzy tudo virou Heavy Metal, nada contra, eu gosto também da fase seguinte, mas nada como os primeiros discos. God is Dead? é uma releitura dessa época, acredito que todo esse disco novo terá uma preocupação em soar como antigamente, coisas sombrias, riffs de blues que te deixam pregados na parede, e assim os mestres nos mostram como fazer coisa boa hoje em dia, sem ficar com lamentações que só o antigo é bom!
Juninho [Ratos de Porão | facebook.com/RATOS-DE-PORAO-oficial | O Inimigo | oinimigo.net] [foto: Eduardo Kenji | flickr.com/photos/xeduardokenjix]

Sinceramente, fiquei emocionado com a nova música do Black Sabbath! Caiu uma lagriminha! Porra, Ozzy, Geezer e Toni juntos, novamente? Puta que pariu! Quanto à música… achei incrível! Pesada pra caralho e moderna! Me lembrou a sonoridade do último trabalho do Toni, The Devil You Know, do Heaven & Hell!
Lalo [Statues On Fire | soundcloud.com/statuesonfire]

leomonstrosabbath

Bicho… é Black Sabbath! Não precisa falar mais nada. A gravação é limpinha, parece que falta pressão. Mas os riffs são foda! Baixão absurdo… Bill Ward faz falta. Mas os velhinhos ainda dão aula. É igual o disco que o Kiss lançou ano passado, Monster. É Kiss! E quem não coloca esses álbuns nas listas dos melhores do ano é porque não gosta de rock. Gosta mesmo é do Instagram e do Twitter.
Leonardo Razuk [Monstro Discos | monstrodiscos.com.br]

Amigo Ricardo, creio que não há pessoa que acessa o Chiveta e não goste de Black Sabbath, meio impossível, então estou com medo de responder. Eu dei algumas chances para o God Is Dead?, ouvi algumas vezes e ainda não consegui gostar pra caralho, achei meia bomba, esperava mais. Estou com medo do 13 ser apenas um caça níquel, não será nada legal depois de tanto tempo vir um disco fraquim dos caras. Desculpa aí Ozzy, manda mais uma pra nóis mudar de ideia vai…
Felipe [Ideal Shop | idealshop.com.br | Edições Ideal | edicoesideal.com]

ADOREI!!! Foi a primeira coisa que ouvi no dia do lançamento da música. Pela manhã ao conferir minhas redes sociais, dei de cara com o post emocionado de um amigo fã de Black Sabbath. Tony Iommi tem um som e o jeito único de tocar guitarra, o som do baixo é muito bom, impressionante! E é muito bom ouvir o Ozzy cantando de um jeito que só acontece com o Sabbath, se conecta com aqueles caras de uma forma muito sombria e profunda. Pra mim God Is Dead? é apenas uma amostra do que será o 13. Estou ansioso para ouvir o disco todo, acho que vai soar clássico e o mais verdadeiro possível.
Flavio Guarnieri [Vespas Mandarinas | vespasmandarinas.com.br]

natasabbath

Então, ao contrário de 80% dos comentários do pessoal que tenho no Facebook, eu gostei. Eu entendo que a pegada não é a mesma do Black Sabbath, e que esteja um tanto quanto modernoso. Há muita influência do trabalho solo do Ozzy, e como eu gosto, para mim, God is Dead? é um ótimo single. O baixo no início soou pesado, ficou animal! Por outro lado, entendo as críticas dos fãs mais fiéis – no sentido religioso da palavra – pois toda a ruptura de padrões e novas influências – mesmo sendo a do próprio Ozzy – geralmente não são bem aceitas.
Nata [Manger Cadavre? | mangercadavre.bandcamp.com] [foto: Kaori Iwamoto | facebook.com/kaori.iwamoto.773]

Ouvi sim, mano, o nome da música me chamou mais atenção que a música em si… Mas é Black Sabbath, né mano, máximo respeito!
Tyello [Manual | soundcloud.com/banda-manual | Rock Together | rocktogetherstudio.com.br]

facadasabbath

Eu não estava esperando nada do Sabbath. Aliás, faz muito tempo que eu não me interesso por eles, mas meu respeito, consideração, sentimento de dívida é muito maior do que esse desinteresse. Pra mim, o que eles fizerem, é o Black Sabbath. Ponto final. Hours concours de todos os tempos. Toda a música pesada é culpa deles e quem somos nós pra falar mal desses caras?! E, sim, eu escutei a música e o que mais eu poderia achar? É Black Sabbath. Comecinho mistério, riff tenebroso, pesado, arrastado, baixo “Geezer” inconfundível, voz do Ozzy mudou nada. Prefiro esse, do que aquele mais Rock and roll. Nunca vai ser um clássico, acredito, e nem nunca poderíamos esperar tal tipo de coisa, mas é o Sabbath fazendo música da melhor qualidade. Até muito melhor do que toda essa ondinha “stoner” – que os copia nos mínimos detalhes. O tanto de clássicos que eles fizeram já bastaria pra calar qualquer boca, e, sim, a música é ótima, do jeito deles e quem não entender isso é por que não conhece nem a banda, nem a vibe que ela passa. E nem me venha falar de produção, de tretas, disso e daquilo, por favor. God is not dead, yet. Sabbath is alive.
James [Facada | facebook.com/nagoela]

Sempre se cria uma expectativa com um lançamento novo de uma banda antiga que já passou por diversas fases. God is Dead? parece que já foi planejada pra soar como o tradicional Black Sabbath – era Ozzy – que já conhecemos, sem grandes inovações. Pra mim esse é o papel deste single, um novo-velho Sabbath com um clima tenso e riffs “Iômmicos”. Muito bom, mas sem novidades. Tem mais 12 músicas no disco, se essa for o hit “garantido”, certeza que o restante tá caprichado!
Rodrigo Chã [Badtrip Surfdeath | badtripsurfdeath.bandcamp.com]

dersabbath

Achei legal, Black Sabbath copiando Black Sabbath. Acho que o mais legal é saber que os caras estão na Terceira Idade e fizeram um riff com oito minutos [risos]. Seria mais impactante se tivesse apenas quatro ou cinco.
Thiago Nascimento [D.E.R | facebook.com/dergrindon | Urutu | urutu.bandcamp.com | Cospe Fogo Gravações | cospefogo.com]

Cara, pra mim o som arranca mesmo a partir dos 6 minutos… O riff é matador, baixo pesadão, a velha cantando pra caralho. A produção mais moderna deixou o som gordão, não ligo que eles não soem como nos 70s. Legal é que depois de 200 anos de banda eles não parecem cover deles mesmos, saca?!
Sergio Caldas [Motor City Madness | motorcitymadness.bandcamp.com]

chinhosabbath
Ela tem duas coisas que me agradam, o riff final e o Ozzy perguntando se Deus está morto, por outro lado, tem essa combinação muito duvidosa de egos e Rick Rubin, ficou com cara de Black Sabbath do futuro. No final das contas não dá pra exigir muito e acho que só por eles não quererem inovar já me deixa calmo e com a sensção de que Deus existe. Rá! Tô de brinks!
Chinho [Chuva Negra | chuvanegra.bandcamp.com]

A música não tem nenhuma novidade para quem é fã dos primeiros discos do Sabbath, e isso é muito bom! A produção do Rick Rubin na parte instrumental ficou matadora e o Brad Wilk segura com competência o andamento da música. A única coisa que eu mudaria é o tratamento da voz do Ozzy, que está muito mais com cara de Ozzy solo que Black Sabbath. No mais: FODA-SE, BLACK SABBATH VOLTOU!!!
Thiago Padilha [Projeto Trator | projetotrator.bandcamp.com]

Ela é bem sombria, com a cara do velho Sabbath, só achei que a gravação tinha que ter uma cara mais setentista, ficou muito no padrão dos dias de hoje, mais limpa, digital… Enfim, bom ver os caras juntos novamente, mas no Bill, no Sabbath!
Helinho [Questions | facebook.com/questionsbr]

O single, né? Já tocamos ele no programa, achei legal, mas espero muito mais do disco!
Thiago Deejay [DJ, 89 FM | facebook.com/thiagodeejay13]

Opa, se ouvi! Oração feita! Amém!
Rica [Maguerbes | maguerbes.bandcamp.com]

Caraio! Os tiozinho tão foda!
Tuti [Maguerbes | maguerbes.bandcamp.com]

Eu não sou um grande fã da banda, mas os caras são geniais no que fazem, respeito e admiro toda a influência deles em boa parte do que veio depois. Achei a God Is Dead? fodida! É aquela mesma intenção cheia de maldade nas notas que eles tinham anos atrás porém MUITO mais experientes. Acredito que ela é um aperitivo do que está por vir do 13 que como eles dizem, e li em algum lugar outro dia, é uma celebração à vida deles que em breve todos nos deixarão e “enquanto nós podemos tocar, faremos isso”. Titio Ozzy deitou, está cantando muito também!
Sandrox [Cristo Bomba | soundcloud.com/cristobomba]

Cara, achei bem foda… Tem umas partes meio stoner pau-mole, afinal de contas eles tão mais velhos que meu pai, mas o riff e o refrão tão animais!
Shamil [Horace Green | facebook.com/horacegreen | Balboa Discos | facebook.com/balboadiscos | Hotel Tees | facebook.com/HOTEL-TEES]

ozzychivetadynamite

Vote Chiveta no Prêmio Dynamite 2013 na categoria Melhor Site, Coluna, Blog ou Fanzine 🙂

Notícias relacionadas:
Prêmio Dynamite 2013 – Vote chiveta!
O dia em que eu mostrei Leptospirose pro Sepultura
Assista a uma prévia do novo disco do Leptospirose
Entrevista: Josh, do Bode Preto
WTF 02 – Calistoga, Horace Green, Camarones Orquestra Guitarrística & Statues On Fire
WTF 01 – Noala, Noskill, Goatmantra, Plastic Fire & Manger Cadavre?
Motor City Madness & R’n’R, MTHRFCKR
Vespas Mandarinas – Animal Nacional
chivetarama 2 com Maguerbes, Morto Pela Escola, Facada, The Black Coffins, Zero Zero, Os Bambinos Selvagens, Desenmascarado, Lê Almeida, Motor City Madness, Merda, Renegades Of Punk, Os Estudantes, Leptospirose, Medialunas e Sujeito A Lixo

Comentar via site Faces

comentários

7 thoughts on “God Is Dead? – Várias bandas ouviram o som do Black Sabbath e contaram o que acharam!

  1. Mai chato q a música só essa ”ozzyologia” toda do pessoal q que endeusa a banda… ouvi a primeira vez e não achei nada demais, na segunda já falei “é… é legal”.

  2. “Olha, é bacana, cara, mas não parece Sabbath. Tá certo que os tio tão apertando o “continue” faz um tempo, mas se eles revertessem esses oito intermináveis minutos em dois ou três minutinhos com MAIS VONTADE DE VIVER seria bem mais afú.” (2)…

    Quase morri de sono aqui…hahahaha

  3. Nada de surpreendente mas tmb não é ruim só achei longa……………….Mas porra é o black sabath, uma pena não vou poder ir no Wros fest esse ano pois dia 13/10 estarei na apoteose.

    Ps. Do 2º comentario em diante não tive paciencia para ver a resenha dos amigos….

  4. Tem umas opiniões abalizadas aí hein? Hehe.
    Eu achei massa, mas nada anormal assim, tem umas partes meio punheta, hehe, dava pra cortar a música pela metade facilmente..
    Curioso pelo disco.

  5. Eu desenvolvi uma tese original. Todo mundo esperava coisa bem pior que isso, aí saiu uma música bem boa e parece que é um novo clássico.

    Acho que esse som aí da pra ouvir sem stress, mas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *